5 maneiras de utilizar o geomarketing nas redes sociais

27 abr
2016

A geolocalização vem revolucionando o marketing em mídias sociais!

Você sabe o que é a geolocalização? Já ouviu falar de geomarketing?

Hoje é possível saber exatamente onde os usuários estão no território geográfico. Claro que não temos nenhum alien integrou chips em nossas cabeças, mas apenas a partir de um computador/celular que esteja conectado à internet é possível dizer o local de origem geográfica.

 Por exemplo, dá para saber quantos usuários de iPhone e Android tem na sua cidade. Hoje, vários smartphones utilizam o GPS integrado para enviar as informações de localização. Alguns, como o iPhone, pedem a sua permissão antes.

Essa tecnologia auxilia e muito o monitoramento das redes sociais, item fundamental para todas as marcas, já que com o monitoramento você identifica o que o seu cliente está falando e “conversa” com ele de forma rápida e certeira.

Através dos chips de computados e celulares conectados a internet é possível dizer o local de origem geográfica, geralmente funciona com a identificação do seu IP, que é capaz de informar o país, a cidade e o horário atual de onde você está.

Por meio da geolocalização, monitorar as conversas nas mídias sociais com base na localização dos usuários tem sido cada vez mais comum, assim é possível demarcar um território e saber o que é postado, comentado e curtido dentro dele.

Mas é sempre bom lembrar que ao gerar conteúdos utilizando a geolocalização é preciso entender qual o momento ideal e o contexto correto, para que a grande ideia não se torne um problema. Trazemos aqui algumas dicas para ajudar a utilizar a análise baseada na localização com as mídias de sua marca.

 

1. Análise sobre comportamento local

Utilizar o monitoramento geolocalizado de mídias sociais permite que você saiba, em tempo real, o que ocorre em seus locais de interesse (pontos de vendas, eventos, shows…). Ao entender o que está sendo postados dentro desses espaços pré-determinados é possível entender também o seu público, o que ele consome, como foram suas experiências com outros produtos e marcas, seus desejos e seu comportamento. Assim consegue-se determinar o hábitos das pessoas que procuram por sua marca e analisar outros ambientes onde elas estão inseridas.

2. SAC 2.0

A empresas sabem que o Serviço de Atendimento ao Consumidor, SAC, é super importante. Com as redes sociais, surge o que chamamos de SAC 2.0, onde se usam as redes sociais para entender os problemas dos clientes e dar resposta a eles. O vídeo do Sebrae, abaixo, exemplifica como funciona o SAC 2.0

Muitos analistas de mídias sociais usam ferramentas para monitorar aquilo que é dito sobre as marcas, através de palavras-chave e hashtags, mas com isso, as postagens que não possuem essas palavras acabam não sendo encontradas. Quando se faz o monitoramento tendo como base a localização do usuário, é possível encontrar conteúdo que fale sobre a sua marca, mesmo que não haja nenhuma menção direta a ela.

Utilizando a localização você consegue dar uma resposta mais rápida e eficaz ao seu cliente, e conhecendo a localização de onde partiu a postagem pode solucionar problemas futuros, como por exemplo situações que envolvam determinado ponto de vendas.

3. Captação de Clientes

Ao monitorar clientes por meio da geolocalização você pode oferecer produtos e serviços em momentos e locais pertinentes, como por exemplo um hotel a pessoas que estão em rodoviárias e aeroportos, ou mesmo um delicioso almoço com frutos do mar aqueles turistas passeando pela praia.

Com isso você torna sua abordagem muita mais relevante e atinge seu possível cliente em um momento onde ele está mais receptivo a sua oferta.

 

4. Monitoramento de eventos

Festivais de música, shows, grandes festas e até mesmo inaugurações de lojas são ótimos espaços para conhecer públicos e engajar pessoas. Quando você monitora as redes sociais a partir da localização do usuário, você pode saber o que acontece no espaço, quais são as preferências das pessoas no local e o que está sendo citado sobre determinado assunto ou seja, é possível ver o evento através dos olhos de quem está nele e com isso analisar aquele público.

Posts relatando experiências reais e em real time podem ser a sua chave para extrair insights e atingir seus targets da melhor maneira possível.

Dessa forma, você saberá o que está funcionando e o que não está, com referência exata da localização. Com isso é possível solucionar problemas na hora em que aparecem e fazer relatórios preditivos para evitar que algo saia errado nas próximas edições do evento.

Por exemplo, o vídeo abaixo fala sobre o monitoramento feito pela empresa Geist no Rock in Rio 2015.

5. Publicidade Baseada no Comportamento Local

As pessoas que já visitaram seu ponto de venda, compareceram a um evento de sua marca ou mesmo um local ligado a ela tornam-se mais receptivas à sua publicidade. Com a geolocalização você consegue perceber onde seu público está indo e criar conteúdos personalizados.

O Facebook e o Twitter oferecem a possibilidade de direcionar posts e propagandas para o público de uma determinada região. Estudando o local antes de promover sua marca, as chances de engajamento sempre serão maiores. Aqui, voltamos a ideia de geomarketing utilizando do Big Data Marketing e do Business Intelligence.

Com essas dicas você pode entender como funciona o geomarketing e começar a utilizá-lo!

Via: Geist

Thiago Martins
author

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *